News

Conhecendo melhor a reabilitação cardíaca – Fase 2– Pós Alta

Conforme já exposto anteriormente, são inúmeros os benefícios da participação em um programa de Reabilitação Cardíaca o mais precoce possível. Após cirurgias cardiovasculares e implante de dispositivos elétricos é comum que o indivíduo se sinta inseguro e esteja inapto a se exercitar sem supervisão e orientação.

idosa-exercicio-fisioterapeuta

Logo após a alta hospitalar é recomendado que o paciente seja submetido a avaliação para iniciar a Reabilitação Cardíaca. A partir desta avaliação a equipe multiprofissional irá delimitar e prescrever as intensidades e cargas de trabalho para cada indivíduo. É possível que o paciente não esteja apto a se exercitar de maneira formal, porém a Reabilitação Cardíaca inclui componentes educacionais que são recomendados a todos. Além disso, se há restrições para prática de exercício físico, existem outras abordagens que podem ser implementadas, como alongamentos, facilitação neuromuscular proprioceptiva, técnicas de terapia manual e controle da dor. A equipe multiprofissional está apta a avaliar os riscos e benefícios do exercício e iniciar o treinamento físico o quanto antes.

A Fase 2 – pós alta –  da Reabilitação Cardíaca é composta por exercícios estruturados e planejados, tais como alongamentos, treinamento aeróbio, fortalecimento da musculatura respiratória, fortalecimento muscular global, treino de equilíbrio e de consciência corporal, com uma carga de trabalho baixa. Nesta fase o individuo se familiariza com o exercício e deve ser atendido de forma individualizada, já que se encontra no período de convalescença. Esta fase dura de 1 a 3 meses, e em seguida deverá ser encaminhado a fase 3,  na qual haverá o treinamento propriamente dito.

Converse com seu médico sobre os benefícios da Reabilitação Cardíaca. Ele deverá encaminhá-lo a um profissional de sua confiança.

Renata Cruzeiro Ribas – Fisioterapeuta especializada em Reabilitação Cardiovascular – Autora convidada do Blog e-Patient Brazil

Referência: Arq Bras Cardiol 2014; 103(2Supl.1): 1-31
Padrão