Entrevista, Minha História, News

Peyton Chitty: ele luta para fazer comunidade médica entender que um tamanho não serve para todos

Tenho a oportunidade de conhecer portadores de dispositivos médicos em várias redes sociais. Ano passado eu conheci o Peyton Chitty @frankendaddy68 pelo Instagram. Saiba quem é, o que faz, e sua percepção de como a sociedade encara sua condição de portador de um dispositivo cardíaco em seu país, inspire-se!

Nome: Peyton Chitty
Idade: 47
Tipo de dispositivo médico: Marca-passo 
Primeiro implante (mês e ano): Dezembro 2015
modalidades da atividade física:  Surfing, Corrida, Bodysurfing, Skateboarding
Cidade/Estado/País: Wilmington, Carolina do Norte, EUA

peyton-3
Como sua vida costumava ser antes do implante?

Minha vida antes de meu implante de marca-passo era repleta de atividades físicas como o surf, corrida, body surfing, skate e futebol. Eu realizava essas atividades semanalmente, mas depois de um incidente, em que eu desmaiei durante uma corrida de 10km eu passei a não praticar como antes, tanto por causa da fadiga quanto pelo medo de que algo ruim acontecesse novamente. À medida que os meses se passaram, e eu estava sendo monitorado através de um Reveal Linq Monitor, meus sintomas começam a piorar, e minha atividade física foi reduzida. Meu coração estava parando à noite com cada vez com mais regularidade, e eu estava relatando sintomas correlacionados com as minhas leituras de dispositivo. Meu médico me consultou e decidiu-se que o implante do marca-passo seria a melhor coisa a se fazer.

Se você estava praticando atividades físicas antes do implante, algo mudou depois disso?

Desde o meu implante de marca-passo, agora estou fazendo todas as atividades que eu estava fazendo antes. Eu tive que começar novamente em relação à minha forma física e estou mais paciente comigo mesmo. Eu também aprendi a confiar no processo e trabalhar dentro das minhas limitações, mas confortavelmente aumentando estes limites quando eu sou capaz de fazê-lo.

Eu definitivamente não sou tão rápido como eu costumava ser quando eu corria, no entanto, estou melhorando meu tempo e energia a cada semana. Desde o meu implante, eu corridas de 5Km, e uma meia maratona. Meus objetivos nestas corridas é simplesmente participar como diversão, me esforçar confortavelmente, e terminar forte. Eu tenho planejado uma corrida de 10 km que é do aniversário do meu incidente com coração. Eu estou esperando estabelecer um recorde pessoal na corrida que, por isso, o meu treino tem sido focado nisso. Notavelmente, eu tenho sido capaz de sustentar uma frequência cardíaca nas corridas e apenas experimentado algumas situações desconfortáveis apenas se eu o forçar um pouco demais. Quando isso acontece, eu sou facilmente sou capaz de recuar do que tentar nivelar ao que eu fiz antes do meu implante de marca-passo.

Como o seu médico vê a prática de as suas atividades físicas?

Eu me sinto realmente abençoado porque eu tenho um cardiologista que me vê como um indivíduo e está trabalhando comigo para que eu possa manter o meu estilo de vida ativo e fazer as coisas que eu amo fazer. Ele avisou que irá ajustar o meu pacemaker acordo com o meu nível de condicionamento físico e necessidades.

Como as pessoas em seu país veem em geral pessoas que usam um dispositivo médico cardíaco?

Eu acredito que a maioria das pessoas nos Estados Unidos veem as pessoas com pacemakers como “aleijados cardíacos” e indivíduos delicados que estão propensos a morrer a qualquer minuto. Creio que isto é devido às baixas expectativas que são colocadas sobre pacientes cardíacos.

Muitas vezes, eu vejo a comunidade médica da medicina esportiva aplicar um one-size-fits-all (tamanho único) para pacientes cardíacos ao invés de tratá-los como indivíduos de acordo com seus níveis de aptidão, estilo de vida e saúde em geral.

Você teve em algum momento de lidar com o preconceito como um usuário de marca-passo (pacemaker)?

Eu tinha um preconceito sobre usuários de marca-passo. Pensei que as pessoas com marca-passo não seriam capazes de se manterem ativas e teriam grandes limitações, fazendo com que o atleta se sentisse debilitado. Eu comprei na noção preconcebida que grande parte da comunidade médica promovia com sua abordagem generalizada para pacientes cardíacos. Eu sei melhor agora.

peyton-4Que tipo de mensagem para as pessoas que você quer espalhar com as suas postagens?

Minha mensagem para os outros é que eles se recusem a ser definidos por suas circunstâncias ou diagnóstico. Eu quero os outros vivam a vida como ela é feita para ser vivida elevando-se acima das baixas expectativas fixadas para eles e definindo seus próprios objetivos e expectativas. Espero que eu possa continuar a inspirar e ser inspirado.

Padrão