Minha História

Um exemplo de superação: ele é recordista e vive com metade do coração

Um exemplo de superação: ele é recordista e vive com metade do coração Roberto Itimura, tem 54 anos, foi fumante e chegou a pesar 117kg. Ele parou e refletiu a importância de se buscar uma vida mais saudável, mas em 2004, ele precisou passar por uma cirurgia cardíaca, necessitando colocar cinco safenas.

Algumas complicações se seguiram e ele foi submetido a uma angioplastia, colocou um stent em uma das safenas e perdeu outras duas. Com uma doença cardíaca grave e progressiva, diagnosticada pelo cardiologista, após a colocação do stent, sofreu mais três infartos, sendo dois entre os anos de 2006 e 2008. Com o novo diagnóstico, o cardiologista disse que ele tinha 65% do coração em funcionamento e alta probabilidade de ir para fila de transplante de coração. A receita do médico consistia em tratamento à base de medicamentos e atividade física, como uma das alternativas para prolongar a sua vida. Foi aí que as coisas começaram a mudar na vida de Riberto Itimura. Ele começou a caminhar na esteira e, nos finais de semana, frequentava o parque da cidade de Jundiaí.

Itimura foi além, e começou a refletir sobre a tese do seu médico: “se a caminhada levava o meu organismo a criar novas artérias, logo imaginei que poderia acelerar esse processo de criação de novas artérias e ter um coração mais forte. Comecei a correr na esteira e no parque. Sabemos que é muito difícil começar a correr, principalmente para quem tem uma deficiência no coração. Mas como minha querida esposa sempre disse, “bicho teimoso”, não me contentava apenas em caminhar. Ou seja, as corridas começavam a fazer parte da minha vida”.

Com o incentivo de um grande amigo ele decidiu participar de sua primeira prova de rua. Participou de cara de uma famosa corrida na cidade de Santos, em 2008. Já na sua primeira corrida ele percorreu 10 km, fazendo o percurso em 1h00m06s. Em sua segunda corrida, em 2009, na cidade de São Paulo, outra prova de 10km, ele cometeu um erro, evitou a hidratação e seu corpo entrou em colapso. Nesta ocasião foi parar na UTI, inconsciente, era o seu terceiro infarto. No leito da UTI, Itimura se questionava se tinha encerrado a sua curta vida de corredor. Mas a decisão final foi do médico. A resposta foi uma surpresa para ele e a família. Atualmente, o médico é um amigo pessoal dele, e como ele mesmo fala: “Ele me dá aval para todas as minhas loucuras! Hoje tenho 235 corridas realizadas oficialmente, mais de 2.500 km percorridos, e 30 meias maratonas completadas”.

Itimura ainda nos conta:

“Aliás, o sonho de todos os corredores de rua: encarar os 42km de uma maratona. Seria um feito histórico e uma das maiores realizações da minha vida. Em 2012, consegui completar a Maratona de Buenos Aires. Por causa do meu problema cardíaco, faço exames anuais. Em 2014, eu constatei que as condições do meu coração tinham caído de 65% para 56%, mas a corrida faz parte da minha vida. Sei que todos um dia vão partir desta terra. Se for o meu destino, que seja correndo, ou pelo menos correr até onde este meu coração permitir.

Os amantes das corridas de rua vivem desafiando os seus limites. E, como amante desta modalidade, acabei de encarar um novo desafio. Como o próprio nome, acabei encarando o Desafio do Pateta, na Disney, em janeiro de 2013, onde percorri 21k no sabado e 42k no domingo, voltei fazer novo desafio em 2015, desafio chamado de Dunga na Disney onde acabei correndo 4 dias seguidos percorrendo 5k, 10k, 21k e 42k. Atualmente tenho 6 maratonas realizadas, uma das mais especiais foi ter participado da maratona Twin Cities em Minneapolis, poder representar Brasi e ser um Global Heroes, saber que mesmo com esta doença podemos praticar as atividades físicas normalmente, sempre acompanhado do seu médico. Itimura fala com o coração: “com esta vivência, gostaria de compartilhar que nunca devemos desistir, seja qual a razão, mas sempre buscar a vida saudável. Os milagres acontecem e nada é por acaso. Acredite, busque, lute, ande, caminhe, corra, rasteje, mas jamais desista! Corra sempre pela vida e pela saúde”.

Padrão