News

Cirurgia cardíaca de peito aberto pode virar coisa do passado

Graças a equipes do  Boston Children’s Hospital, Harvard e Brigham and Women’s Hospital, cirurgia de coração aberto pode virar em breve coisa do passado.

Pesquisadores projetaram um cateter capaz de corrigir buracos no coração usando um adesivo biodegradável e patch.

A pesquisa foi publicada na revista Science Translational Medicine, na qual os cientistas relataram ser capazes de usar com sucesso o dispositivo para fechar um buraco no coração, na fase do estudo com modelos animais, sem a necessidade de realizar uma cirurgia de coração aberto. Além disso foi possível evitar a sutura no tecido do coração pois o dispositivo é colado ao mesmo.

A técnica é significativamente menos invasiva do que a cirurgia de coração aberto, que exige colocar o paciente em circulação extracorpórea.

Um pach (remendo) que se dissolve com o tempo também permite que o tecido do coração crie a sua própria reparação. O catéter é inserido através de uma veia no pescoço ou na virilha e em seguida, dirigida para o coração. Uma vez que o catéter está no lugar, os dois balões de posicionamento são abertos através do orifício e no outro lado da parede do coração.

O patch é então implantado entre os balões e uma luz UV é ligada nos balões para ativar revestimento adesivo do patch. O patch é então fixado no lugar pela pressão dos balões. Uma vez concluída, ambos os balões são esvaziados e o catéter é retirado. Desta forma o tecido cardíaco normal deverá crescer ao longo do patch, que se dissolverá quando não for mais necessário. O patch pode mesmo ser personalizado para dissolver a taxas diferentes. A cola do adesivo deverá ser testada em humanos ainda neste ano.

Texto traduzido e adaptado de Boston Business Journal por Dra. Luciana Alves PhD – Fundadora e Líder de PACEMAKERusers – portadora de marca-passo cardíaco

Imagem: Boston Children’s Hospital

Padrão